Quem não tem coração e atitude de ovelha, não serve para ser pastor. A autoridade provém da submissão e o governo é legitimado pelo serviço.

sábado, 19 de março de 2011

Pr. Luciano Subirá - Trocando os Jugos Com Jesus


“Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma. Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo é leve”.  (Mateus 11.28-30)

Esta é uma das mais belas promessas de Jesus que a Igreja do Senhor tem proclamado aos necessitados. Oramos por cura e libertação porque é a vontade de Deus socorrer o homem. Ministramos em outras áreas de necessidade porque está claro que Deus quer intervir assim na vida do homem.

Nossa ênfase neste estudo não é diminuir a importância dos milagres e nem tampouco atacar as igrejas que proclamam esta mensagem. Eu particularmente acredito e pratico esta ênfase. Amo ministrar cura às pessoas. Amo ministrar libertação. Amo proclamar a fé que rompe e nos leva à vitória em todas as áreas. A Igreja recebeu esta comissão de Jesus Cristo: “A estes doze enviou Jesus, dando-lhes as seguintes instruções: Não tomeis rumo aos gentios, nem entreis em cidade de samaritanos; mas, de preferência, procurai as ovelhas perdidas da casa de Israel; e, à medida que seguirdes, pregai que está próximo o reino dos céus. Curai enfermos, ressuscitai mortos, purificai leprosos, expeli demônios; de graça recebestes, de graça dai”.  (Mateus 10.5-8)

Quando o Evangelho chega a alguém, deve trazer juntamente com a pregação do Reino de Deus a demonstração do amor e do socorro de Deus aos homens agindo em outras áreas de necessidade. O apóstolo Paulo classificou a importância dos sinais como “demonstração de Espírito e poder” para que a fé das pessoas não se apoiasse em palavras persuasivas de sabedoria humana (1 Co 2.4,5).

DUAS PROPOSTAS DISTINTAS
Mas apesar de tudo isto, percebo em nossos dias uma ênfase desequilibrada na pregação de Mateus 11.28-30. Os pregadores de uma forma geral, só baseiam suas mensagens na primeira proposta de Jesus. Contudo, este texto apresenta duas propostas distintas:
1) Vinde a mim todos vós que estais cansados e sobrecarregados e eu vos aliviarei;
2) Tomai sobre vós o meu jugo e encontrareis descanso para as vossas almas.

Mais do que o alívio prometido para aqueles que vão a Jesus, há uma dimensão de descanso para aqueles que tomam o seu jugo. Ou seja, por mais clara que seja a ênfase bíblica de se acentuar a mensagem de intervenção divina nas necessidades humanas, nunca podemos perder de vista que isto está ligado à chegada ou aproximação das pessoas ao evangelho. Depois, temos uma mensagem de compromisso, simbolizada na troca de jugos que Jesus propôs. E para todo aquele que adentra a dimensão de compromisso, há uma medida maior de manifestações de Deus, que foi chamada de descanso para a alma.
Qual a diferença entre alívio e descanso?

Numa certa ocasião precisei empurrar um carro que não funcionava, e tive que fazer muita força por não dispor de outros para ajudarem. Quando parei de empurrar o carro tive o alívio; como foi bom parar de fazer tanta força. O coração tinha vindo na boca! Minhas pernas estavam moles e terrivelmente afadigadas. Mas o descanso mesmo levou uns dois dias para acontecer; foi quando as dores das pernas passaram e eu me recompus de verdade.

Em outra ocasião, vi alguém se afogando no mar e me atirei na missão de salva-lo. O mar puxava tanto que já seria difícil voltar nadando sozinho, quanto mais com alguém a tiracolo! Me esforcei muito consegui fazer metade do trecho de volta à praia, até que os bombeiros que haviam sido chamados para socorrer o afogado chegaram, e acabaram tirando nós dois… quando saí da água não conseguia sequer ficar de pé, foi uma verdadeira exaustão. E deitar naquela areia nos próximos quinze minutos foi o que chamo de alívio. Mas o descanso mesmo levou uns três dias para se manifestar por inteiro. Foi quando as dores musculares foram embora e consegui me imaginar nadando novamente.


VINDE A MIM
Ao dizer “vinde a mim todos os que estão cansados e oprimidos”, Cristo mostrou a necessidade de levarmos as pessoas a Ele com uma proposta de solução dos problemas. Portanto, é bíblico enfatizar os milagres e intervenções de Deus ao pregarmos a Cristo.
Infelizmente há muitas igrejas que parecem querer fazer com que as pessoas acreditem que o alívio é proporcionado por elas. Dizem: “venha para a (nossa) igreja tal, e você será mudado, abençoado, curado, etc”. Mas o verdadeiro alívio só ocorrerá quando a pessoa for a Cristo, independentemente de onde o encontre. É claro que há igrejas que atraem as pessoas a si para depois leva-las a Jesus, mas o que não podemos perder de vista é que não há proposta evangelística sem alívio.

O Senhor Jesus prometeu isto e se incumbirá de fazer com que seja assim. Não é errado enfatizar isto, mas o que freqüentemente fazemos de errado é omitir o restante da proposta de Jesus.

EU VOS ALIVIAREI
Como já afirmamos, o alívio é uma dimensão de socorro. É o toque inicial de Jesus na vida de alguém. É depois deste toque, que normalmente vemos alguém falando de mudança de vida, do abandono dos vícios e pecados, da restauração do casamento, da cura recebida ou da libertação efetuada.

O alívio são o que podemos chamar de primeiros socorros, mas não englobam tudo aquilo que Deus deseja fazer na vida de alguém. É um excelente começo, mas não a obra completa.

A Igreja do Senhor em nossos dias tem amargado a triste experiência de um grande número de crentes que nunca chegam à plenitude do que Deus tem para suas vidas justamente por nunca ter oferecido uma proposta que os leve além do alívio.

O alívio se experimenta quando a pessoa vai a Cristo. Mas o descanso, aquela dimensão mais profunda do que Deus tem, só se recebe quando a pessoa decide tomar sobre si o jugo proposto por Jesus.

Portanto, a única forma de ir além do alívio, é aceitando o jugo de Jesus. É fazendo a troca. Deixamos aos pés d´Ele o nosso e tomamos sobre nós o jugo d´Ele.

 

TOMAI SOBRE VÓS O MEU JUGO
O que é tomar o jugo nesta mensagem de Jesus? Como ilustração natural (de um paralelo espiritual) o jugo fala de união. O jugo era uma peça de madeira usada pelos agricultores da época para unir dois animais que puxavam o arado. Com um boi puxando o arado o trabalho tinha um ritmo mais lento, mas com dois agilizava. Alguns usavam várias juntas de bois, como é o caso de Eliseu, antes de seu chamado ao ministério (1 Re 19.19-21). O jugo obrigava os animais a caminharem juntos na hora do trabalho. Era uma forma de prender um ao outro e força-los a andarem juntos, no mesmo compasso e direção. As Escrituras usam a expressão “jugo” para falar de união, vínculo e sociedade: “Não vos ponhais em jugo desigual com os incrédulos; porquanto que sociedade pode haver entre a justiça e a iniqüidade? Ou que comunhão, da luz com as trevas? Que harmonia, entre Cristo e o Maligno? Ou que união, do crente com o incrédulo? Que ligação há entre o santuário de Deus e os ídolos? Porque nós somos santuário do Deus vivente, como ele próprio disse: Habitarei e andarei entre eles; serei o seu Deus, e eles serão o meu povo”.  (2 Coríntios 6.14-16)

Ao usar o termo “jugo desigual”, a Bíblia está dizendo que assim como não se usava um jugo entre animais diferentes, como um cavalo e um boi, ou um jumento e um cavalo, por exemplo, assim também há uniões que estão fadadas a não darem certo entre os homens. Um jugo com animais diferentes não se encaixava direito, não permitia igualdade de altura e nem de compasso entre os animais.

O apóstolo Paulo emprega vários outros termos sinônimos para jugo ao fazer a comparação de união entre crentes e incrédulos: sociedade, comunhão, harmonia, união, ligação.
O próprio termo “cônjuge” que usamos para se referir ao marido ou mulher, quer dizer “companheiro de jugo”, alguém que anda com o mesmo jugo.

Muitas vezes, por ser uma ferramenta que prendia o animal, a expressão pode aparecer na Bíblia se referindo não só a compromisso, mas a uma carga ou peso, ou ainda a algo que prende alguém: “E acontecerá, naquele dia, que a sua carga será tirada do teu ombro, e o seu jugo, do teu pescoço; e o jugo será despedaçado por causa da unção”.  (Isaías 10.27)

Quando o Senhor Jesus fala do jugo, está falando de tudo isto. Ele se refere a alguém que vêm com uma carga nos ombros, oprimido pelo peso e cansado. Então promete alívio, ou seja, se compromete a tirar a prisão e o peso de quem quer que o procure.

Mas a proposta de Jesus não é deixar os ombros e o pescoço de ninguém livre. Ele se propõe a tirar nosso jugo para que a gente consiga carregar o dele. Na verdade, Ele está propondo uma troca: deixe o seu e leve o meu.

Talvez alguém se questione: qual é a vantagem de trocar os jugos?

A resposta foi dada pelo próprio Jesus: “o meu jugo é suave e o meu fardo é leve”. O que Ele nos propõe também é uma prisão e uma união. Porém, diferente da prisão e união com o pecado e as coisas mundanas, seu jugo nos abençoa. O Senhor está falando de compromisso.



 
ACHAREIS DESCANSO PARA A VOSSA ALMA
O alívio é uma espécie de selo e aval de Deus para a mensagem evangelística que foi pregada. A Palavra de Deus sempre é acompanhada de sinais: “E eles, tendo partido, pregaram em toda parte, cooperando com eles o Senhor e confirmando a palavra por meio de sinais, que se seguiam”.  (Marcos 16.20)

Além deste relato de Marcos, encontramos o mesmo princípio em Hebreus: “como escaparemos nós, se negligenciarmos tão grande salvação? A qual, tendo sido anunciada inicialmente pelo Senhor, foi-nos depois confirmada pelos que a ouviram; dando Deus testemunho juntamente com eles, por sinais, prodígios e vários milagres e por distribuições do Espírito Santo, segundo a sua vontade”.  (Hebreus 2.3,4)

Mas o compromisso das pessoas em corresponder com Deus e seus milagres gera um ciclo de milagres, onde seremos levados a provar manifestações maiores ainda. É a dimensão de descanso prometida por Jesus.

É quando nosso caráter realmente passa por mudanças; não só naquelas áreas de “grandes erros” mas também nos pequenos detalhes.

É quando o casamento recebe mais do que os primeiros socorros e passa por um momento de profunda reforma e restauração.

É quando vencemos o pecado, em vez de só receber perdão por eles.

É quando caminhamos em vitórias constantes e vemos milagres maiores.

Tanta coisa podia ser dita desta dimensão de intervenção de Deus! Mas a que talvez mais mereça a nossa atenção é o fato de que, com tudo o que provamos na dimensão de alívio, nosso coração ainda tem fome e sede por mais. Fomos desenhados e planejados por Deus desde a criação para andarmos na sua abundância, e nada contentará nosso coração enquanto não rompermos de fato neste nível.

Vemos este ciclo progressivo acontecendo também a Éfeso, mediante o ministério do apóstolo Paulo. Quando o apóstolo Paulo chegou em Éfeso e começou a pregar o evangelho, os sinais estavam acompanhando-o. No primeiro batismo que realizou, foram todos batizados no Espírito Santo e profetizaram (At 19.5,6). Os sinais estavam indicando o caminho. Paulo continua pregando na sinagoga, mas não existe correspondência por parte da maioria do povo, e nada mais parece ter acontecido nos próximos três meses. Então Paulo chama os comprometidos e investe em suas vidas para firmá-los ainda mais:

“Durante três meses Paulo frequentou a sinagoga, onde falava ousadamente, dissertando e persuadindo, com respeito ao reino de Deus. Visto que alguns deles se mostravam empedernidos e descrentes, falando mal do Caminho diante da multidão, Paulo, apartando-se deles, separou os discípulos, passando a discorrer diariamente na escola de Tirano.”  (Atos 19.8)

Durante dois anos este grupo foi diariamente ministrado, e a correspondência deles gerou o ciclo progressivo de milagres, e eles entraram numa dimensão aparentemente inédita tanto para eles como para o apóstolo Paulo. A Bíblia chama de milagres “extraordinários” o que este grupo de irmãos de Éfeso passou a experimentar e, com isto define dois tipos de milagres: o ordinário e o extraordinário. Milagre ordinário é aquele que pertence ao cotidiano da igreja e das pregações. Trata-se daquele tipo de manifestação que é mais frequente e comum. Há, porém, um outro nível de manifestação do sobrenatural que é classificada como incomum, ocasional. Não é aquele tipo de milagre que se vê com frequência, está num nível mais elevado, por assim dizer. O ciclo progressivo de milagres em Éfeso os levou a esta dimensão depois do compromisso com o caminho:

“E Deus, pelas mãos de Paulo, fazia milagres extraordinários, a ponto de levarem aos enfermos lenços e aventais do seu uso pessoal, diante dos quais as enfermidades fugiam das suas vítimas e os espíritos malignos se retiravam.”  (Atos 19.11,12)

Se conscientizarmos a Igreja do Senhor em nossos dias a voltar-se para Deus em compromisso genuíno e verdadeiro com Jesus (e seu jugo), entraremos numa dimensão ainda maior de milagres. Muitas curas, milagres, libertações e manifestações do poder de Deus tem sido provadas na igreja brasileira e também ao redor do mundo. Mas não podemos parar por aqui. Senão, além de desperdiçarmos o mover de Deus, ainda impediremos os milagres extraordinários de terem seu lugar em nosso meio.

PORQUE MEU JUGO É SUAVE
Compromisso é compromisso, e o que Jesus está propondo é isto. O compromisso nunca é totalmente agradável; sempre terá um caráter de jugo, porém diferente de qualquer outro, pode ser chamado de leve e suave.

Não há como fugir do senhorio de Cristo. Não como querer uma vida vitoriosa, na plenitude de Deus, sem obediência a Ele. O apóstolo João falou sobre isto em sua primeira epístola:

“Porque este é o amor de Deus: que guardemos os seus mandamentos; ora, os seus mandamentos não são penosos, porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé”.  (1 João 5.3,4)

Ao falar que os mandamentos de Deus não são penosos, o apóstolo está enfatizando que, embora haja uma dimensão de compromisso, ela não chega a ser pesada. E que podemos ter uma fé firme que vence o mundo e nos guarda em obediência à verdade.

Vale a pena se comprometer com Deus. A recompensa para quem permanece firme e compromissado com Cristo, é muito maior do que a recompensa que aquele que vai a Ele pela primeira vez chega a desfrutar.

Deus não é injusto. O descanso para aquele que se firma é uma dimensão muito mais rica e profunda do que o alívio que recebem os que estão se chegando a Cristo agora.

Que isto lhe sirva de estímulo à medida que você se consagra e se compromete mais e mais com o Senhor Jesus!
(extraído do livro “A Outra Face dos Milagres”)

Paulo Dias Nogueira: Sobre a continuidade Episcopal

sexta-feira, 4 de março de 2011

Revistas para Escola Dominical

Prezados/as irmãos/ãs, graça e paz!
É com grande satisfação que venho informar que a partir do mês corrente (março) nossas Revistas da Escola Dominical estarão retornando às nossas igrejas.
As Revistas serão distribuídas através da Editora da Umesp, portanto os pedidos deverão ser feitos diretamente através dos seguintes contato: F: (11) 4177-4966
O link abaixo os levará diretamente a página das Revistas da Escola Dominical.
http://espacoeduca.uol.com.br/categoria/revista-escola-dominical/54.html
Solicitamos aos/às irmãos/s que tenham interesse em fazer os pedidos que façam contato o mais rapidamente possível para não correrem o risco de ficarem sem os exemplares.
Em Cristo,
Bispo Adonias Pereira do Lago 



quinta-feira, 3 de março de 2011

Vídeo do site riopreto.metodista.org.br

Lições para um processo de cura


Ontem o culto foi muito bom, e Deus me deu uma palavra sobre o Cego de Nascença. Ministrei sobre falei um pouco sobre a importância de deixarmos Deus trabalhar em nossa vida, não apenas na questão da cura, mas na questão da restauração espiritual completa.
Jesus ouviu que o tinham expulsado e, encontrando-o, disse-lhe: Crês tu no Filho de Deus?Ele respondeu, e disse: Quem é ele, Senhor, para que nele creia?E Jesus lhe disse: Tu já o tens visto, e é aquele que fala contigo.Ele disse: Creio, Senhor. E o adorou.E disse-lhe Jesus: Eu vim a este mundo para juízo, a fim de que os que não vêem vejam, e os que vêem sejam cegos.E aqueles dos fariseus, que estavam com ele, ouvindo isto, disseram-lhe: Também nós somos cegos?Disse-lhes Jesus: Se fósseis cegos, não teríeis pecado; mas como agora dizeis: Vemos; por isso o vosso pecado permanece (Jo 9.35-41).


Pensando nesse texto, quatro lições tiro para que ocorra o processo de cura de Jesus:
 1.  Jesus encontra-se com aqueles que estão excluídos (v.35)
Jesus ouviu que o tinham expulsado e, encontrando-o, disse-lhe: 
Crês tu no Filho de Deus?
Como é interessante, Jesus se encontra com aquele homem que tinha sido restaurado por ele mesmo, conforme o início do próprio capítulo 9 da narrativa do evangelista João. Esse homem contudo é impedido de ver que tinha sido aquele que tinha curado. 
Ele não tinha conhecido a Jesus ainda, pois o mestre tinha o mandado lavar os olhos, do barro que tinha sido lançado sobre seus olhos, no tanque de Siloé. Esse homem agora que via, não sabia como era Jesus que tinha curado ela. Ele não teve a oportunidade de saber de fato quem era Jesus. Tudo isto aconteceu e  após o ato da cura, esse "cego" é intimado e interrogado pelos fariseus. 
O resultado disso tudo é que ele é excluído porque ele foi: a) curado no sábado (v.14); b) considerado discípulo de Jesus (vv. 22 e 28); c) curado de uma doença cuja a história não existia nenhum relato de cruas outros cegos de nascença (v.32); d) nascido em pecado (v.34 - Responderam eles, e disseram-lhe: Tu és nascido todo em pecados, e nos ensinas a nós? E expulsaram-no).
O interessante é que Jesus lança essa questão contra os próprios fariseus, construtores de princípios que regiam a vida e a forma de adorar a Deus no tempo de Jesus, dizendo que: Disse-lhes Jesus: Se fósseis cegos, não teríeis pecado; mas como agora dizeis: Vemos; por isso o vosso pecado permanece (v.41).


2. Jesus se mostra aos que não vêem (v.36)
Ele respondeu, e disse: Quem é ele, Senhor, para que nele creia?
Se de fato o pecado, causa básica para o nascimento dele e da sua enfermidade, era limitador da ação de Deus, para Jesus essa era uma oportunidade de lhe mostrar aquilo que ele não tinha visto ainda: a glória a Deus. Até o momento o cego tinha sido condenado pela família e pelos religiosos. Nesse momento ele não é mais cego, mas continua sendo um excluído do convívio da igreja.
Jesus aparece a ele, após a cura, para declarar o que o verso 39 diz: Eu vim a este mundo para juízo, a fim de que os que não vêem vejam, e os que vêem sejam cegos. Glória a Deus porque o desejo de Jesus é dar identidade à sua obra. Ele quer curar, mas não deseja se limitar a isso, ele quer restaurar a vida espiritual daquele homem. O fato dele ter sido excluído para Jesus era uma oportunidade de lhe mostrar aquilo que ele não conhecia. Ele deu crédito a Jesus, porque sua alma tinha anseios. Seu coração estava saturado daquela letargia de vida, sendo julgado o tempo inteiro condenado e nunca dado a ele oportunidades de receber e conhecer o amor de Deus em sua vida. O crer veio porque ele conheceu o amor e a compaixão de Jesus.


3. Jesus fala e se identifica (v.37)
E Jesus lhe disse: Tu já o tens visto, e é aquele que fala contigo.
Jesus quer se identificar à sua vida, assim como ele fez com o "cego de nascença". Os fariseus chegaram até a se perguntar: Também nós somos cegos? (v.39b). Precisamos reconhecer nossos erros, e precisamos entender isso. Identificar com Jesus é olhar para nós mesmos e percebemos que somente seremos curados quando reconhecermos a necessidade de cura.
Como sei que estou com fome? Quando sei de quando estou cansado?!?! Acho que essa resposta é simples: seu corpo identifica para você. Chega o tempo em que você sente dores de cabeça, suas pernas doem, que seus olhos querem ficar fechados, tudo isto reflete algo que está acontecendo em seu interior! Deus quer restaurar sua vida por completo!!! 


4. Jesus incita a adoração como forma espontânea de reconhecimento (v.38)
Ele disse: Creio, Senhor. E o adorou.
O resultado de tudo isto é que quando nosso corpo é restaurado e nossa vida é entregue nas mãos do Senhor nos tornamos, como conseqüência, adoradores espontâneos do Senhor.
Adorar a Deus deve ser algo natural sem forçar, é fruto de lábios que confessem seu nome, de vidas que sabem deixar Deus conduzir, de momentos e oportunidades de sentir aquele amor tão profundo e imenso que o homem e a mulher não conseguem dar... É saber que para que o processo de cura ocorra nossa vida é o ponto de partida para todo o processo de Deus!
Conclusão 
Você pode até ser curado por Deus, mas às vezes pode faltar a restauração, ou seja, Ele quer fazer em sua vida completa a obra Deus. Quando você pega o sentido do texto vai perceber isto. Tem muitos que se afastam de Deus porque interrompem o processo da cura espiritual. Adquirem a cura física, mas não tomam a salvação para si. Aceitam a cura do Senhor, mas não aceitam o Deus da cura como seu Salvador. Entregar a vida implica em deixar Deus sendo o primeiro em tudo. Há a necessidade de abandonar tudo e apenas seguir. Você tem estado disposto à abandonar tudo e seguir a Jesus?! Quer que Jesus restaure seu interior e te dê a cura de forma integral?!?!?

quarta-feira, 2 de março de 2011

Metodista toma posse no Alto Comando da PM em Rio Preto

Orai pela paz de Jerusalém; prosperarão aqueles que te amam.Salmos 122.6


No dia dois de março de 2011, tomou posse do Comando de Policiamento do Interior-5, em São José do Rio Preto/SP, o irmão Metodista Coronel Antônio César Cardoso. Estavam presentes neste ato de posse diversas autoridades militares autoridades e civis do Estado de São Paulo, além de prefeitos da região, entre outros, e,  representando a Igreja Metodista, o Revmo Bispo Adonias Pereira do Lago, o Rev. André Pires de Souza e eu, Rev. Kleyson Fleury. O Coronel é membro ativo da Igreja Metodista em Vila Virgínia, cidade de Ribeirão Preto/SP, pastoreado pelo Rev. Márcio Ramos da Silva.

O Comando de Policiamento do Interior-5 (CPI-5) é responsável pela gestão do policiamento ostensivo, executado por quatro Batalhões de Polícia Militar subordinados – 16º BPM/I (Fernandópolis), 17º e 52º BPM/I (Rio Preto) e 30º BPM/I (Catanduva) abrangendo 96 municípios da região noroeste paulista.

Segundo o Blog da PM (http://policiamilitardesaopaulo.blogspot.com), o Coronel Antonio César Cardoso trabalhou em várias unidades de policiamento, entre elas a de Policiamento Ambiental. Comandava a Escola Superior de Soldados e, pelo bom trabalho apresentado, passa agora a integrar o Alto Comando da PM.

Sobre a cerimônia, posso declarar  que o discurso do Cel Cardoso foi movido de uma íntima paixão por sua vocação militar e também de seu imenso amor pela obra de Deus. Citando o texto de Paulo aos Romanos,  em seu capítulo 13, destacou a importância de sermos homens que aceitem e respeitem às autoridades dos homens e principalmente a de Deus em nossas vidas. Notou-se também desse momento o grande entusiasmo e companheirismo de sua esposa Chirley Cristina em cada palavra de seu marido nos momentos de homenagens, votos e discurso.

Esperamos que Deus use o irmão tremendamente à frente dessa importante instituição da sociedade e do estado. Precisamos e muito de, nas palavras do Coronel,  cristãos que tratem a vida e o amor pelo próximo em favor de um mundo mais cheio da misericórdia de Deus; segundo ele, o que precisamos da PM são ações mais educativas e de repreensão nas proporções dos crimes que surgem, mas, acima disto, de pessoas de bem que façam valer o amor e paixão de Deus pelas vidas que sofrem.

Ficam aqui nossos desejos de que Deus use nosso irmão, que o trabalho desempenhado pelo Cel Cardoso seja abençoado, e que Deus continue sustentando sua esposa, filhos e familiares.

Informou:
Rev. Kleyson Fleury
Pastor da IM Central em São José do Rio Preto