Quem não tem coração e atitude de ovelha, não serve para ser pastor. A autoridade provém da submissão e o governo é legitimado pelo serviço.

sexta-feira, 23 de maio de 2014

Pedro, Tú me amas?

Caio Faio


Pedro havia negado Jesus três vezes...
No entanto, para Jesus, a questão daquela manhã de sol nascente das alturas na quieta praia de Tiberíades era apenas uma: “Tu me amas?”
Até na hora de lidar com a negação e com a traição, Jesus é completamente diferente de tudo e todos, e completamente coerente com Seu próprio Ser-Ensino.
O Verbo se fez carne, por isso o Ser-Ensino de Jesus são um.
O que diriam as nossas lógicas de amor?
“Se ele amasse, jamais teria feito o que fez”—e, assim, se atribui impecabilidade ao amor humano.
“Ama, mas não tem raízes em si mesmo”—diria a sofisticação psicológica.
“É egoísta demais para amar”—diria uma voz moral piedosa e certa.
“É cedo demais para perdoar você. O que fazes aqui entre os outros?”—diria o Mestre das Disciplinas.
“Nunca mais será a mesma coisa. Como poderei confiar em você outras vez?”—diria a razão mais humana e ressentida.
“Pode ser que ainda dê, um dia... quem sabe? Mas você terá que fazer um longo caminho de volta!”—diria um piedoso e quase esperançoso pastor de almas.
“Já que você insiste, verei do que você é feito. Colocarei um diretor espiritual para supervisionar você”—diria um ser crente na fabricação de caráter e de fidelidade.
“Sinto muito, Pedro, mas já não é possível. Você jogou fora a sua chance, embora eu o tenha advertido várias vezes”—diria a razão fria e justa.
“Você está perdoado, sem ressentimentos, vá em paz; pois não há mais clima para a gente prosseguir”—diria o melhor do homens.
“Logo você, em quem tanto confiei! Como pode fazer isso? Explique-me suas razões”—diria o bondoso justo.
“Meu Deus! E pensar que amei tanto você. Eu sou um santo idiota mesmo!”—diria um Deus com alma de esposa ou de marido.
No entanto, Jesus apenas pergunta: “Tu me amas?”
E com isso Ele admite que o amor peca, trai, nega, se engana, enfraquece, pode ser egoísta, é capaz do impensável, é passível de repetir o mesmo erro, não apenas três vezes, mas até setenta vezes sete.
Jesus não estava buscando perfeição, mas apenas um amor que pudesse ser aperfeiçoado no próprio amor... no Caminho.
“Tu me amas?”—pergunta Ele três vezes.

Ao que Pedro responde, dizendo, humilhadamente, um “sim” cheio de vergonha, e até se sentindo um sem caráter por ainda ter a coragem de confessar amor tendo negado.
Pedro diz “sim, sim, sim”... mas não o faz sem a angústia de quem não quer ser visto como cínico!
Pedro ama. Ama com amor que é dele, com o amor que lutava para ser amor no chão raso de sua alma. Mas era amor, e isso ele não podia negar. Ele admitia que negara Jesus, só não podia admitir que não amava Jesus.
Jesus sabe que às vezes se ama apesar de...
Jesus sabe que o único amor que ama sem nenhum apesar de... é o Seu próprio amor, de mais ninguém.
Jesus ama os nossos amores, apesar de... Pois Ele sabe que quem não ama apesar de... esse deve se oferecer para ser o Salvador dos homens.
“Tu me amas?”
Pedro não tem mais o que dizer. Provar amor? Meu Deus! Levaria o resto de sua vida, e teria que demonstrar isso não apenas com ações, nem com palavras apenas, e, se fosse o caso, deveria provar tal amor com dores de alma até a morte.
Pedro não tem meios de provar nada. Não tem o poder de reverter quadros e nem de apagar memórias. E também não suportaria ficar gemendo o resto da vida num canto de sua casa a fim de provar a Jesus que o amava apesar de...
Provar que se ama pode ser o inferno!
Pedro está perdido. Quem o ajudará? Quem testemunhará em seu favor? Quem terá garantias a oferecer em seu nome? Quem seria o fiador de seu fracassado amor?
A esperança de Pedro quanto a provar a Jesus que ele O amava era o próprio Jesus.
“Senhor, tu sabes todas as coisas... e se as sabes, certamente tu sabes que eu te amo!”
Assim, Pedro não tem argumentos, nem explicações, nem mesmo se oferece para padecer como prova eterna de seu amor ...no inferno do amor...
Pedro não quer o inferno do amor... ele quer ser salvo do inferno de sua alma pelo amor... e só Jesus poderia fazer isso, pois somente Jesus sabia o que existia no coração dele.
Assim, ele está tão certo de sua total incapacidade de vencer os fatos esmagadores com argumentos ou mesmo com penitências, que ele apenas recorre a uma certeza: Jesus conhece meu coração!
“Senhor, tu sabes todas as coisas; tu sabes que eu te amo!”
Chega uma hora quando todos os argumentos cessam, quando não há explicações a serem dadas, quando toda fala é cinismo, quando todo gesto parece compensatório e auto-justificatório, e quando toda e qualquer promessa de fidelidade e lealdade apenas cerram sobre a alma a porta da masmorra das infindáveis penitências.
Pedro amava, mas não queria que seu amor fosse sepultado vivo na morte!
A resposta de Jesus é de confiança!
Sim, Ele sabe que Pedro o ama apesar de Pedro, de seu egoísmo, de sua vacilação, de sua pusilanimidade, de seus ímpetos inconseqüentes, de suas coragens pouco resistentes, de seus vícios de fuga...

“Pastoreia as minhas ovelhas... os meus cordeirinhos... esse povo que me ama como tu... que ama e que trai... Tu, que agora sabes quem és, pastoreia nesse amor esses que são como tu mesmo”.
E conclui: “Agora, vem, e segue-me...”
Jesus não bota o amor de castigo, parado no ponto e na esquina da negação, frizado na vitrine do espetáculo da fraqueza, preso para sempre aos seus próprios pecados.
Jesus sabe que a cura para a traição e a fraqueza só acontece no caminho, enquanto se O segue, e no chão da vida, onde o amor terá a chance de ser amor, e não negação.
Trai-se na vida. Ama-se na Vida. Nega-se na vida. Se é curado na Vida. Somente na vida o que é, é; e pode se manifestar!
Sem que seja assim o que resta é deixar Pedro em Tiberíades para sempre, envolto nas malhas de suas angústias, pescando os peixes que fogem dele, existindo numa seqüência de dias que já lhe são o próprio inferno.
Nossa salvação é uma só: O Senhor sabe todas as coisas, e quem sabe que ama apesar de... não tem outra chance se não confiar no que Jesus sabe em nós e acerca de nós, pois se o que há em nós é verdade, Ele em nós aproveitará toda verdade de amor para o nosso próprio bem.

Confie. Ele conhece você!

segunda-feira, 17 de março de 2014

Encontro com Deus: 2 a 4 de maio




Anotações de Leitura: Critérios Práticos de um Líder de Célula

Anotações da leitura do Livro Critérios Práticos de um Líder de Célula, escrito por Elvis Oliveira - pastor da Igreja da Paz em Sorocaba trabalha em células na sua igreja na visão MDA (Método de Discipulado Apostólico).

As considerações observadas neste livro são:

1) O autor usa o exemplo de seu pastor e discipulador da Igreja da Paz de Fortaleza, onde ele cita que a igreja vive como a igreja primitiva reunindo-se em lares, mas reforça que isso não se trata de opção, mas que o coração da igreja e o centro de todas as atividades são as Células de Crescimento e Multiplicação na Visão MDA.

2) A oração é o primeiro passo para ter sucesso em sua célula. Orar pelos seus discípulos todos os dias, orar pelos discípulos dos seus discípulos.

3) O princípio de cada um cuidando bem do novo convertido.

4) A importância da prestação de conta do discípulo ao seu discipulador.

5) A participação fielmente do Treinamento Avançado da Liderança.

6) A questão de ser dizimista. Neste ponto o autor deixa claro que eles não obrigam ninguém a dar dízimo e oferta, porém que não tem essa prática é ladrão, e que ladrão não pode ser líder de célula.

7) O comprometimento do discipulador com o discípulo, sempre trabalhando cada discípulo a se tornar um novo líder de celular.

8) Trabalhar o Natanael 3, isso significa o discípulo trazer ao discipulador o nome de três pessoas que quer apresentar Jesus a elas.

9) Fazer da célula um lugar acolhedor e receptivo, dando atenção aos visitantes e ensinando um a cuidar do outro.

10) Ter momento de comunhão com os discípulo.

11)Levar o discípulo e os discípulos dos discípulos a participarem dos cultos de celebração e do Tadel.

12) Tirar oferta missionária.

13) Prestar relatórios semanais ao seu discipulador.

14) 40% da comunhão acontecem na reunião da célula, e 60% acontecem fora da reunião semanal.

Esses foram alguns pontos notáveis nesse livro, os quais quero praticar na minha vida. O interesse é que não se trata de um programa, mas sim um estilo de vida, como na Igreja do pastor Abe Huber, que todas as nossas atividades estejam focadas no viver em célula, evangelizando e ensinando as pessoas nos caminhos de Jesus.

Nain Vieira Almeida